e … AÇÃO!

É o dever de cada estado preservar a liberdade criativa e fomentar a existência de uma ampla variedade de autores independentes para garantir a diversidade cultural e a renovação da criação.
Além disso, estes autores criam postos de trabalho, pois suas obras iniciam uma reação em cadeia de produção e participação do público, proporcionando uma grande contribuição para a economia mundial.

A falta de um direito intransferível e inalienável de uma remuneração para roteiristas e diretores de cinema é uma omissão flagrante em muitos âmbitos jurídicos. Esse direito é contemplado em alguns países, mas, devido à ausência de fronteiras na era digital, é necessário que ele exista universalmente para que seja eficaz.

Uma remuneração justa e equitativa restabelecerá os direitos de roteiristas e diretores e permitirá que eles realizem uma contribuição econômica e cultural ainda maior.

Apoiar a campanha audiovisual

O fator chave para esta camapnha é a conscientização. A impressão geral que é tida sobre os roteiristas e diretores é que são membros de uma elite de Hollywood bem paga. Para a grande maioria, isto não podería estar mais longe da verdade.

No Reino Unido por exemplo, só 11,5% dos roteiristas são capazes de viver apenas da sua produção escrita, enquanto na Espanha o número de roteiristas que vive da sua atividade tem diminuído mais de 30% em 10 anos. Em 2014, a maior quantia que foi paga na Espanha por um roteiro de uma série difundida em horário nobre esteve entre € 9.000 y € 10.000 (para todos os roteiristas), abaixo dos  € 15 000 de há apenas 10 anos atrás. Na Austrália, 50% dos diretores membros do sindicato nacional ganham menos da metade de um salário médio, apesar de terem mais de 10 anos de experiência na indústria.

Hoje em dia, o setor audiovisual e cinematográfico europeu já representa 2,6% do PIB da UE e oferece 5,8 milhões de empregos. Imaginem o quão grande poderia ser esta contribuição se os roteiristas e diretores gozassem de uma proteção adecuada e de igualdade no trato.

Fontes:
1 ALCS | 2 DAMA | 3 2015 Australian Directors Guild survey of members | 4 “Remuneração de autores e intérpretes em relação ao uso de suas obras e à gravação de suas interpretações” – estudo realizado pela Europe Economics-IVIR para a Comissão Europeia
Quando um roteirista escreve FIM, este é o início de um processo que implica centenas de trabalhos e serviços antes mesmo de o roteiro chegar à fase de produção efetiva